vpmoliveira @ 15:50

Qui, 19/05/11

Uma das opções que o grupo tomou logo no início do Projecto, foi de alojar o documentário no Youtube. Esta decisão baseou-se em vários factores e um deles foi a possibilidade de integrar o sistema de legendagem que esta plataforma oferece. 

Ao submeter um vídeo no Youtube é, desde 2009, possível fazer o upload de um ficheiro de legendas (em inglês ou japonês) e o sistema faz a tradução automática através de uma sincronização com o tradutor do Google.

O serviço permite que façamos upload de um ficheiro com apenas o texto, e através do reconhecimento de áudio, a sincronização da mesma é feita automaticamente. Posteriormente podemos fazer o download do ficheiro submetido e corrigir eventuais erros, fazendo o upload novamente.

Por outro lado, há também a possibilidade de construir o ficheiro manualmente através de um software como o Media Subtitler, gratuito em http://www.divxland.org/. 

É também possível submetermos ficheiros com traduções feitas pelo utilizador em qualquer língua para garantir a integridade e fiabilidade das mesmas. 

O grupo determinou que serão incluídos 3 ficheiros de legendagem: o português (para o caso de o documentário ser visualizado por pessoas com necessidades especiais) o inglês e o francês. 

Esta opção de alojamento permite, assim, que o vídeo esteja disponível na web gratuitamente e a nível mundial e também acessível a qualquer língua de um forma rápida e eficaz. 

 

A título de exemplo mostramos um vídeo que utiliza eficazmente esta tecnologias: um trabalho realizado por um aluno de mestrado em Comunicação Multimédia e ex aluno do nosso curso, o Hugo Branquinho, que realizou um documentário muito interessante sobre o programa de Erasmus na Universidade de Aveiro.  (http://www.youtube.com/watch?v=BIvIW2l2TZk)

     

Temos também a possibilidade ao visualizar o vídeo de mudar a fonte, o tamanho da mesma e se queremos ou não o fundo cinzento atrás da legenda. Estas definições são do lado do utilizador e não temos qualquer controlo sobre as mesmas, por isso, a grelha do vídeo foi criada tendo em conta a predefinição, com a respectiva margem de segurança.  

 

A título de curiosidade, o Youtube tem também uma opção de transcrição automática: através do reconhecimento de voz, o programa cria a legendagem. Essa opção (Google automatic speech recognition - ASR) está, no entanto, apenas disponível para a língua inglesa, e ainda com bastantes restrições e falhas. Apesar disso, é uma tecnologia muito interessante e que permitirá cada vez mais o acesso de pessoas com necessidades especiais aos conteúdos. 

O seguinte vídeo apresenta estas funcionalidades, incluindo a transcrição de áudio. 

 

 



Blog do projecto do 3º ano de NTC no âmbito da UC de Projecto.
Pesquisar
 
Ligações
diigo library
Arquivos
blogs SAPO