vpmoliveira @ 21:00

Qui, 31/03/11

Uma vez que o nosso projecto tem duas vertentes bem definidas (o documentário e a plataforma de partilha),  foram criadas demos para cada um dos componentes. 

Para o documentário o grupo procurou implementar na demo funcional /técnica  todas as dimensões que irá necessitar no futuro para o documentário: tratamento e montagem de video real e de efeitos sonoros assim como o desenho e animação de infografias. 

Assim, foram incluídos no trailer que serve de demo funcional e técnica alguns excertos de vídeo dos focus group realizados internamente, com o devido tratamento (apesar da qualidade do vídeo estar comprometida pela exportação dos mesmos com grande compressão), assim como efeitos sonoros e infografias totalmente desenhadas e animadas pelo grupo no After Effects, demontrando assim o  domínio sobre as ferramentas estudadas aquando do exercício “requisitos funcionais e viabilidade técnica”.

Esta demo subdivide-se em áreas que se intercalam no decorrer do vídeo.

Principais trechos:

1. Créditos iniciais;

2. Montagem;

1. Créditos iniciais

Neste trecho de abertura do “trailer” foram implementadas animações de layers de texto que se pretendem implementar futuramente na realização de cada uma das 5 partes do documentário.

Foram utilizadas animações ao nivel da opacidade e escala.

Depois do aparecimento das primeiras duas sequências de texto surge outro bloco de texto, através da rotação da camera utilizada no programa.

Pertende-se que estas animações estejam presentes nos vídeos a realizar.

Note-se que em todos os trechos da demo foram utilizadas cameras existentes no programa utilizado (Adobe AfterEffects CS5), assim como luzes de forma a criar profundidade de campo, como efeito visual.

 

2. Montagem 1ª sequência

Este trecho refere-se à montagem de animações, gráficos e/ou texto, com pequenos trechos de vídeo seleccionados das reuniões de focus group interno realizadas.

2.1. Sequência com trecho de vídeo do focus group (1)

Animação inicial de texto com palavras-chave e sequência com vídeo do focus group

2.2. Gráfico animado

Nas diferentes partes do documentário pretende-se mostrar gráficos estatísticos animados que cativem os espectadores a olhar para os dados de outra forma.

Na sequência seguinte surge então um gráfico animado dinamicamente sem um contexto específico de utilização.

nota: Na produção desta sequência foram implementados alguns scripts utilizando a linguagem JavaScript.

2.3. Sequência com trecho de vídeo do focus group (2)

Tipos de animação semelhantes com palavras-chave diferentes.

2.4. Animação de texto

Animação do tipo Kinetic com algumas palavras e expressões referentes à temática da Europa e do que se irá desenvolver nas reuniões de focus group.

2.5. Símbolos representativos

Utilização de simbologia representativa das 5 temáticas que se pretendem abordar.

As animações presentes conjugam manipulação de texto com as animações de cada um dos símbolos gráficos, existindo efeitos de transição para cada um dos ecrãs.

De seguida os símbolos gráficos são “somados” e surge a palavra Europa.

O grupo teve a preocupação de criar animações que pudessem ser reutizadas, ou seja, que possam ser integradas no documentário final (como, por exemplo, as animações relativas a cada um dos temas). 

Através de um efeito de escala com o intuito de simular uma aproximação da câmara ao stage, para fazer a transição para o ecrã final com uma animação com o texto Eurágora e um efeito de desdobramento de papel.

 Aqui está a nossa demo funcional e técnica do documentário: 




pedrovitoria @ 20:37

Qui, 31/03/11

Em relação à plataforma de partilha, construímos duas demos: a funcional e a técnica. 

 

Demo funcional

Como demo funcional e gráfica da plataforma, realizamos um mockup, que posteriormente integramos no Prezi para conseguir um efeito animado e dinâmico e gravamos com um software de captura de ecrã para melhor dar a entender o a interacção e o funcionamento da plataforma. 

Representamos no mockup cinco ecrãs, com uma estrutura comum: o menú, com a Home, os cinco temas do documentário que representarão áreas de discussão e o Making off, os botões de Ajuda, Contactos e Registo, a barra de pesquisa, o formulário de Login, uma descrição do projecto e uma nuvem de Tags. 

Home tem uma estrutura se assemelha ao Making off: documentário em destaque, seguido pelo sistema de rating, pelos botões de partilha em redes sociais e pelos comentários).

 

A Ajuda, com o mapa do Mapa do site, algumas indicações de como utilizar a plataforma, e algumas perguntas frequentes. 

A página de resultados de pesquisa,  que resulta de uma pesquisa na barra preprarada para o efeito, ou pelas Tags presentes em todas as páginas. Surge uma introdução dos resultados com a palavra pesquisada, destacada, e a possibilidade de ver o restante post. 

O formulário de registo com os dados a ser introduzidos pelos novos utilizadores (que será seguido de um email de confirmação. Em vez disso, o utilizador pode fazer login directo com a conta do Facebook. 

Depois de registado, o utilizador tem um perfil com as informações introduzidas no registo. 

Na página de cada tema, encontram-se todas as publicações feitas pelos utilizadores sobre esse tema, com comentários e a possibilidade de partilhar. 

Os utilizadores registados podem adicionar mais conteúdos. 

As publicações têm um título, podem ter texto, e existe ainda a possibilidade de inserir imagens, ficheiros ou vídeo. 

Para adicionar vídeo, há duas opções:

Upload directamente dos ficheiros do utilizador, 

ou publicação de um URL de um vídeo do Youtube. 

 

 

 

Segue uma apresentação em vídeo com as mockups, que mostra como funciona a nossa plataforma. 

 

 

 

Demo técnica

Assim como na demo técnica do documentário, o objectivo da demo técnica da plataforma era perceber se o grupo consegue manusear o CMS escolhido, Wordpress, modificar o necessário no template para aplicar o grafismo que será especificado na próxima fase e instalar os plugins necessários à implementação das funcionalidades que necessitamos. 

O grupo tomou como base o template de origem do Wordpress, pois não tem quaisquer restrições quanto a aplicações a implementar, factor que constatamos que acontecia em alguns templates. Alteramos o template a nível de HTML e CSS de forma a dar um aspecto gráfico mais característico, mas ainda longe do final, uma vez que ainda não fizemos especificação gráfica. 

Implementamos também algumas das funcionalidades que precisamos.

Em primeiro lugar, instalamos um plugin de rating, o Rating-Widget Plugin, que permite classificar uma publicação (no caso, o trailer) de um a cinco e permite também classificar os comentários pelo sistema de gosto/ não gosto.  Este plugin permite estas 2 opções de rating tanto para os posts como para os comentários.

Instalamos também o plugin WP-FB-AutoConnect que permite, por um lado, fazer o login por uma conta já existente no Wordpress (posteriormente implementaremos um sistema de registo) e fazer login através da conta Facebook. Através deste sistema, o plugin cria automaticamente um registo no Wordpress associado a esta conta quando é efectuado o login pela primeira vez. Neste plugin foi necessário o registo do nosso site na área de developers do Facebook para obtenção de um código para autenticar a nossa aplicação.

Por fim, implementamos um sistema que permite o upload de ficheiros nos comentários: Easy Comment Uploads.

Este plugin permite o upload de vários tipos de ficheiros ( imagens, vídeos, pdf, etc ) para a plataforma. 

No futuro iremos aprimorar esta funcionalidade inserindo um leitor de vídeos para que o vídeo fique imediatamente disponível para visualização na plataforma, e não seja necessário o download. 

 
Aqui está a nossa demo técnica implementada, e será esta a base para a nossa plataforma. 
(Na home page está o nosso trailer, a demo funcional e técnica do documentário, e no tema "Media e Cultura" encontra-se também um vídeo para testar se o sistema de legendas do Youtube funciona correctamente alojado noutro local). 
 
 
 



sergio-campos @ 02:17

Ter, 29/03/11

O nosso projecto subdivide-se em duas áreas principais: o documentário e a plataforma web de suporte ao primeiro.

 
Demo técnica do documentário
A demo técnica do documentário visa a implementação do vídeo das sessões de focus group já realizadas e infografias produzidas pelo grupo (gráficos, dados estatísticos, palavras-chave).
 

Tarefas-chave:

- Créditos iniciais (logos, datas, locais e intervenientes);

- Montagem (sequência de imagens);

- Oráculos (legendas e tooltips de explicação dos elementos visuais).

 

Os objectivos delineados para a demo técnica são:

- Demonstrar domínio sobre a ferramenta de animação a utilizar, Adobe After Effects CS5:
Animações básicas a nível infográfico, quer implementadas na forma de gráficos, como na forma de texto;
Animações de câmeras e efeitos visuais (e.g. blur);

Implementação de som no vídeo;

- Análise dos codecs e formatos utilizados (ligação com a demo técnica da plataforma de partilha).

 

Pretende-se que a linha gráfica siga a tipologia de um trailer, exemplificando aquilo em que consiste o projecto.

 

Demo técnica da plataforma de partilha

A demo técnica da plataforma web do projecto Euragora será feita no Content Management System - Wordpress, especificado na viabilidade técnica e visa cumprir os objectivos abaixo enumerados. 

 

Demonstrar algumas das funcionalidades a implementar na plataforma final.

- Implementar alguns plugins que executem funções necessárias como:

·   inserção de vídeos nos comentários;

·   rating das publicações;

·   login com o utilizador único do Facebook;

- Implementar um vídeo do Youtube na home page com o respectivo sistema de legendas.
 

Comprovar as capacidades do grupo no que toca a manusear a plataforma Wordpress:

·   Instalar e editar plugins;

·   Instalar e editar temas;

·   Editar o código das páginas base do CMS;

·   Implementar uma BD na plataforma.




hugo-jp-araujo @ 20:07

Seg, 28/03/11

Na passada sexta-feira, dia 25 de Março, foi realizado o encontro semanal com os orientadores do projecto, neste caso, apenas com o professor Jorge Ferraz, uma vez que a prof. Lídia e o prof. Vania não puderam estar presentes.

Foram discutidas primeiramente as notas lançadas pelos professores da disciplina de Projecto referentes à entrega do exercício 2, Requisitos Funcionais e Viabilidade Técnica.

O foco da reunião reflectiu-se sobre a actual situação do focus group pretendido para as sessões e a dificuldade em estabelecer contacto com os elementos do mesmo, quer por email e/ou contacto telefónico (aos quais tivemos uma percentagem miníma de respostas). Assim, foi enviado um e-mail ao GRI (Gabinete de Relações Internacionais) de forma a disponibilizarem-se os horários dos alunos Erasmus seleccionados na tentativa de os abordar presencialmente para uma mais eficaz persuasão dos mesmos.

Foi também publicada uma mensagem em várias plataformas on-line de encontro de alunos Erasmus, como grupos de Facebook e fóruns, com o intuito de alargar a escolha para o focus group. Foram discutidas também as estratégias a implementar nas sessões, quer discutindo a sua durabilidade, quer os focos de interesse e pontos quentes a utilizar para fomentar a discussão e o debate.

A hipótese de utilizar a videoconferência com o Zorap ou outra ferramenta similar também foi referida, caso não conseguíssemos juntar o focus group necessário presencialmente.

Neste momento os objectivos do grupo focam-se nas entregas das demos gráfica/funcional e técnica, tanto do documentário, como da plataforma web de suporte do mesmo, assim como em conseguir finalmente o focus group completo, e será com o intuito de completar estes objectivos que o grupo focalizará todo o seu trabalho durante a próxima semana.




vpmoliveira @ 23:13

Qua, 23/03/11

 No dia 17 de Março, passada quinta-feira, realizou-se a segunda reunião com o focus group interno.
O professor Vania Baldi voltou a ser o moderador da reunião e como suporte principal da apresentação utilizou o powerpoint.


Desta vez, a temática focou-se na identificação com a cultura portuguesa, tendo-se por referência a seguinte frase “És mesmo português?”. De seguida, cada um dos elementos deu a sua opinião sobre o país (caracterizando-o) e foram lançadas perguntas acerca da identificação de Portugal como um país europeu.
A reunião finalizou com a temática dos media e do consumismo, através da identificação dos bens culturais, assim como a produção dos mesmos.
A reunião teve a duração de, aproximadamente, 1h40min.

 

 

 

O grupo também retirou algumas conclusões mais técnicas sobre as reuniões realizadas:

  • As reuniões possibilitaram ao grupo uma percepção alargada e detalhada sobre a estratégia a utilizar em reuniões deste tipo.
  • Conseguiu-se perceber qual o melhor posicionamento do material audiovisual de recolha, de forma a encontrar o equilíbrio entre a captação de todas as acções em reunião (vídeo + som) e o bem-estar do focus group, de forma a serem o mais verdadeiros possível.
  • Assim os objectivos do grupo de trabalho são o planeamento e a implementação futura de técnicas de abordagem em reunião com focus group, de forma a extrair o máximo possível de informação ao mesmo.

Powerpoint utilizado na reunião

 

A condição juvenil
 
O nosso agradecimento ao prof. Vania que preparou e moderou as duas sessões e a todos que participaram nestas duas sessões, o vosso contributo foi valiosíssimo! 



sergio-campos @ 00:16

Sex, 18/03/11

Requisitos Funcionais da Plataforma Eurágora

 

 

Chegado à plataforma Eurágora qualquer utilizador vê, na Home, o nosso Documentário final nas 2 versões: a versão completa (infografias mais excertos de focus group) e a versão linear, sem excertos.

Pode também ver os comentários adicionados pelos utilizadores registados aos dois vídeos.  

 

Numa barra lateral, terá um botão de registo que o redirecciona para um formulário onde terá de introduzir informações como um username (único na plataforma), o e-mail, uma password, nome, idade, nacionalidade, local de residência e uma fotografia. 

 

 Após efectuar o registo, o utilizador recebe um e-mail com um link que deve seguir para confirmar o registo. Depois disso, já pode fazer login na plataforma.

 

Logo abaixo do botão de registo terá também um formulário de login, com o username ou email e a password. Para facilitar o registo de utilizadores, estes podem também fazer login com a sua conta do facebook, para assim não ter de criar um novo user.

 

Na home, assim como em todas as outras páginas da plataforma, é possível ao utilizador ver uma secção de ajuda, com um formulário de pesquisa para facilitar numa dúvida mais direccionada que surja, e também algumas FAQ (frequently asked questions) que explicam resumidamente como utilizar a plataforma.

 

Presente em todas as páginas da plataforma está igualmente um menu com seis partes distintas: cinco delas dedicadas às cinco áreas temáticas do documentário e uma para o making off, caracterização da equipa de produção e agradecimentos.

 

Cada uma das cinco partes é constituída por diversas publicações, feitas pelo grupo e por todos os utilizadores registados na plataforma, e que podem ser constituídas por texto, vídeo, imagens e podem conter anexos (como documentos pertinentes sobre o tema).

 

Cada uma dessas publicações pode ser classificada num ranking de 1 a 5 por qualquer utilizador. Os users registados podem também adicionar comentários às publicações e responder a comentários de outros utilizadores.  

 

Cada utilizador registado tem acesso a um perfil com as suas informações pessoais introduzidas no momento de registo (ou aquelas que estiverem presentes na conta do facebook com que o user fez login) que pode editar a qualquer momento. Pode também consultar os perfis dos outros utilizadores registados.

 

O administrador da plataforma é o tipo de utilizador com mais poder e permissões. Para além de todas as funcionalidades abertas aos outros utilizadores, o administrador pode eliminar publicações, vídeos ou comentários que não considere apropriados e moderar os utilizadores, expulsando aqueles que demonstrem comportamentos negativos. 

 

 

Viabilidade Técnica para a produção da plataforma

 

Software

A primeira fase de produção da plataforma é a construção do layout. Para isso, vamos utilizar Adobe Photoshop e eventualmente Adobe Illustrator por já serem, como já foi referido, os softwares que o grupo já domina, e pela grande compatibilidade dentro dos programas da família Adobe.

Para construção técnica da plataforma tínhamos dois opções: construir de raiz ou construir com base num CMS (Content Manager System). 

O grupo optou por esta segunda hipótese, uma vez que era necessário muito tempo para construir uma plataforma de raiz. No entanto, tinha a vantagem de termos mais controlo sobre as funções a implementar. No caso da escolha do CMS, estamos mais restritos aos plugins existentes e às funções passíveis de serem implementadas. 

Depois de optar por utilizar um CMS, tínhamos três opções a considerar: Drupal, Joomla e Worpdpress

O grupo acabou por optar por utilizar o Wordpress, por ser mais user friendly, possui um elevado número de plugins disponíveis, e uma grande comunidade online que nos pode ajudar na implementação dos mesmos.  

Quanto à criação da Base de dados, consideramos apenas duas opções para a modelação da mesma: a utilização do Workbench ou o PHPMyAdmin

Optamos pelo Workbench por ser mais intuitivo, por permitir a criação da base de dados de forma gráfica, e por já ter sido um software abordado nas aulas.

Em termos de linguagens de programação, começamos por perceber quais são usadas na plataforma. 

Vamos utilizar HTML como linguagem base de estrutura da plataforma, uma vez que o HTML5 é ainda uma linguagem inacabada e ainda não suportada por todos os browsers. 

Para formatação, utilizaremos CSS por não existir uma alternativa directa, e permite uma grande flexibilidade e simplicidade na construção do grafismo da página.

Para comunicar com o servidor, o grupo vai utilizar PHP por ser a linguagem usada no Wordpress, é conhecida pelo grupo, e é open, disponde de uma grande comunidade online que desenvolve inúmeras aplicações. 

Para comunicar e interagir com a Base de Dados, usaremos SQL, uma linguagem já conhecida pelo grupo. 


Hardware

Em termos de Hardware, para desenvolvimento da plataforma é apenas necessário um computador passível de correr os softwares de edição necessários.

 

 

  

 

 

 

 Requisitos funcionais para a contrução do documentário

 


 

A construção do documentário passa por três fases distintas, com diferentes requisitos funcionais.

A primeira fase é a construção das infografias demonstrativas dos dados estatísticos recolhidos pelo grupo. Para isso, o grupo terá de as construir, recorrendo a um software de edição de imagem ou de modelação e, posteriormente, animá-las.

Depois, terá também que fazer uma pesquisa por bibliotecas de áudio de forma a encontrar os sons desejados para completar as infografias.

 

O segundo passo (não necessariamente posterior numa ordem cronológica) é a captação de vídeo, quer nas sessões de focus group, quer em outros momentos.

Para uma captação eficaz, é necessário ter em atenção a qualidade do equipamento e das condições como a luminosidade, utilizando recursos de iluminação artificial sempre que necessário.

A captação do som é também de grande importância pelo que o uso de material adequado e um ambiente sem ruído são fundamentais para o sucesso desta etapa.

 

Depois de captar o vídeo, é necessário fazer a sua conversão de analógico para digital, com o mínimo de perdas possíveis, tendo em atenção o uso de um software eficiente e de todos os codecs necessários.

 

De todos os vídeos captados o grupo terá depois de seleccionar quais os excertos a integrar no documentário. Proceder-se-á depois a um tratamento desses excertos a nível de cor, luminosidade, etc., num software indicado para esse efeito.

O som será também tratado de forma equilibrar o volume e tratar o registo áudio recorrendo a filtros de supressão de ruído e balanceadores de frequência.

 

Depois dessa selecção e tratamento dos conteúdos a incluir, o grupo fará a junção das infografias criadas anteriormente com os excertos de vídeo do focus group, outros conteúdos captados, e com o som já devidamente tratado.  

 

Nessa montagem o grupo fará também a inserção de legendas em inglês de todo o documentário, para que a língua não seja uma barreira à visualização deste documentário.

 

O documentário será montado de duas formas distintas: uma versão linear sem excertos de focus group, só com a apresentação dos dados, e a versão completa.

Há também a intenção de montar um making off.

 

Depois de todo o vídeo montado, o passo seguinte será o alojamento e divulgação do vídeo (nas suas três versões) na plataforma de partilha. 

 

 

Viabilidade Técnica para a produção do documentário

 

 Software

Após definir as tarefas a realizar para que cada fase do nosso projecto esteja concluída, é importante perceber a viabilidade técnica para a realização das mesmas.

No que concerne ao documentário começamos por determinar as soluções técnicas para animar as infografias. Para as desenhar vamos optar pelo Illustrator e pelo Photoshop, por serem softwares já conhecidos pelo grupo e mostram-se eficazes para o efeito pretendido. 

O passo seguinte é a animação, que vai ser feita em After Effects. No caso pensamos ser mais adequado uma vez que vamos trabalhar com vídeo real em paralelo, e como o grupo nunca trabalhou com este software, apesar da interface Adobe já nos ser muito familiar, pode ser um desafio interessante.

Para tratar o som, o grupo optou pelo Nuendo uma vez que é um software com uma capacidade de tratamento profissional e o grupo já o domina por ter estudado na UC de Sonorização.

Depois de captar o vídeo, para fazer o seu tratamento vamos também usar o After Effects por ser fácil de aprender as técnicas de tratamento de vídeo. Por fim, para juntar com as infografias e montar todo o documentário vamos utilizar o Adobe Premiére. É um software que já dominamos e que por ser da família Adobe tem compatibilidade com o After Effects.

 

Hardware

Em termos de hardware temos algumas limitações, uma vez que apenas temos disponível o equipamento disponível no departamento e uma câmera pertencente a um dos elementos do grupo.

Não é, no entanto, uma condição negativa uma vez que o equipamento disponível tem grande qualidade. Assim, com a restrição de precisarmos de requisitar com antecedência o material, optamos por utilizar o que nos disponibilizam no departamento.

Para captar as reuniões de focus group necessitamos de duas câmeras HD que posicionamos em diferentes ângulos, assim como tripés para as colocar e focos caso seja necessário iluminação artificial.

Para captação de som, optamos por utilizar os microfones internos das câmeras pois, nos testes que temos realizado, têm-se mostrado com uma captação eficaz do som em todas as direcções.

Para conversão e montagem do vídeo, é necessário um computador com boa capacidade de processamento.

 




 

ANEXO: Documento ilustrativo dos requisitos funcionais a implementar: Requisitos_funcionais.pdf




pedrovitoria @ 14:51

Qua, 16/03/11

Na passada terça-feira, dia 15 de Março, realizou-se na sala 21.1.24 a primeira reunião com o focus group interno. Esta reunião teve por objectivo o teste ao material de gravação (câmeras, tripés, focos, microfones e projector) e proporcionar um primeiro contacto prático aos métodos utilizados em reuniões com focus groups.

 

 

A reunião foi moderada pelo prof. Vania Baldi que utilizou como suporte principal uma apresentação powerpoint na qual incluiu perguntas que abordavam temáticas como a juventude e a adultês, as diferenças entre diferentes gerações e as perspectivas de cada um acerca das mesmas. Para tal, o prof. recorreu a diferentes metodologias de abordagem a focus group como a resposta em papel, a exposição oral e, com vista ao estímulo das diferentes perspectivas e opiniões, pontos quentes

.

 

Desde já agradecemos às pessoas que se voluntariaram a participar nesta reunião, pelo tempo dispendido e pelo contributo prestado no desenvolvimento do projecto.

 

Deixamos, a título de interesse, a apresentação powerpoint que guiou a disussão:




hugo-jp-araujo @ 14:22

Ter, 15/03/11

É altura de fazer outro ponto de situação sobre a progressão do projecto.

Desde a fase de idealização e conceptualização do projecto muito trabalho foi realizado e, neste momento, está praticamente tudo definido para começar a produzir conteúdos.

Com o decorrer dos dias e dos objectivos definidos de forma a cumprir prazos e metas a estruturação das tarefas e a sua calendarização tornou-se fulcral para o grupo. Esta clarificação deveu-se também à necessidade de antecipar algumas das tarefas definidas em projecto, como o estudo dos requisitos funcionais e da viabilidade técnica.

O focus group a ser utilizado nas sessões de trabalho foi definido e o grupo espera o feedback das pessoas contactadas de forma a organizar e marcar estas sessões em horários flexíveis o suficiente de forma a garantir que ninguém é prejudicado.

Enquanto esta tarefa se encontra em stand-by e, seguindo a sugestão dos orientadores, irão ser realizadas sessões com um “focus group interno” do qual faremos parte, de forma a familiarizarmo-nos com as técnicas de condução de focus group e as possibilidades de interacção entre os elementos, com o objectivo de planear reuniões consistentes e fluentes. Esta reunião tem como também como objectivo o teste do equipamento audiovisual quanto à sua disposição no espaço, de forma a distrair o mínimo possível os intervenientes da sessão.

Neste momento, a prioridade é o planeamento detalhado das reuniões com o focus group, recorrendo às sessões de grupo interno, assim como aos materiais teóricos disponibilizados ao grupo, por parte da orientadora Lídia, com vista a uniformizar as técnicas e métodos de trabalho no contexto de reunião. Em paralelo, as tarefas referentes às entregas da UC de Projecto estão a ser finalizadas e adequadas à tipologia da disciplina, concretamente a entregas dos requisitos funcionais e da viabilidade técnica: devido à tipologia do nosso projecto (plataforma web + documentário), na aula de Projecto os docentes Nuno Ribeiro e Benjamin Júnior aconselharam-nos quanto à especificação dos requisitos funcionais e a sua ligação com a viabilidade técnica (e.g. hardware; software; api’s; linguagens; frameworks).

 

Posto isto, vamos jogar uma partidinha de golfe porque o governo é amigo e quer que os europeus continuem a conhecer Portugal como o País do Golfe.

 




vpmoliveira @ 17:42

Seg, 14/03/11

Como é vista a  Europa pelos portugueses. ;)

 

 


Tags: , ,


pedrovitoria @ 23:41

Dom, 13/03/11

 

No passado dia 10 de Março, quinta-feira, realizou-se a quinta sessão de orientação com os professores orientadores de projecto. A reunião teve a duração de, aproximadamente, uma hora e trinta minutos.

 

Tal como havia sido combinado na reunião anterior, o professor Vania Baldi esteve presente fisicamente na reunião. A presença do professor Vania revelou-se importante na medida em que, pelos seus conhecimentos na área da Sociologia, nos ajudou a perceber alguns pontos da actualidade europeia que seria interessante abordar nas reuniões com o focus group tais como os “conflitos” entre Portugal e Espanha, a figura de Durão Barroso como símbolo da Europa para os portugueses e os clichés que associamos a outros países (quanto aos clichés, fica uma produção audiovisual de Cedric Villain que aborda este tema de uma forma bastante divertida).

 

 

Antes mesmo de se iniciar a reunião propriamente dita, pusemos o professor Vania a par do estado de desenvolvimento do projecto, explicamos-lhe o objectivo do focus group e fizemos o habitual briefing do trabalho realizado desde a última reunião.

 

Posto isto, passou-se ao tema “Focus Group” – que, pela sua novidade, tem levado o grupo a pesquisar e, mais recentemente, a ler alguns tópicos do livro “Focus Groups - theory and practice”. O grupo tratou de redigir e enviar o e-mail de recrutamento para os alunos erasmus cujos contactos foram disponibilizados pelo GRI e de requisitar o material necessário às filmagens das reuniões com o grupo, enviando e-mail para o Sr. Veiga. Os professores orientadores sugeriram que, antes de passarmos às reuniões com o focus group, fizéssemos uma reunião com um grupo interno por forma a aprendermos a lidar com determinadas questões como a motivação, a moderação e controlo dos participantes, e tomar consciência de possíveis problemas /entraves que possam surgir durante as sessões não só pela estrutura dos encontros mas também pelo tema e a complexidade que este pode adquirir. Sendo assim, marcaram-se reuniões internas para os dias 15 e 17 de Março. 

 

Terminada a reunião, ficamos de “recrutar” elementos para participarem no focus group interno, sendo que não convém que sejam amigos directos de nenhum de nós, por forma a manter uma determinada distância comportamental (para que ninguém se sinta pressionado ou intimidado pelas suas opiniões).

 

Os resultados destas reuniões vão ser aqui descritos.

 

 Anexos: E-mail enviado ao Sr. Veiga requisitando o material para as filmagens.pdf



Blog do projecto do 3º ano de NTC no âmbito da UC de Projecto.
Pesquisar
 
Ligações
diigo library
Arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO